Grupo Lwart Lwart Lubrificantes Lwarcel Celulose

Sala de Imprensa

Você está em:   Home Sala de Imprensa Notícias na Integra

Sala de Imprensa

14/05/2015 -  Projeto CURTA JOVEM agita a cidade de Lençóis Paulista
Eventos

Uma iniciativa enriquecedora para a cidade de Lençóis Paulista. Uma experiência inovadora para os jovens estudantes locais. Esta tem sido a tônica do projeto CURTA JOVEM, que está acontecendo neste primeiro semestre de 2015 e vem transformando a vida e as impressões culturais dos mais de 70 estudantes com idades entre 13 e 18 anos.

Idealizado pelo coordenador Roberto Limberger, o CURTA JOVEM é um curso de iniciação artística, que por meio de oficinas de produção audiovisual ensina aos jovens as técnicas para desenvolverem filmes de curta-metragem. Dessa forma, eles podem ter o seu primeiro contato com o mundo do cinema.

A iniciativa conta com o patrocínio do Grupo Lwart, e está sendo promovida como parte das comemorações de seus 40 anos, por meio do ProAC/ICMS. Ao trazer o projeto para Lençóis, o objetivo da empresa foi oferecer uma oportunidade de formação técnica para todos aqueles que se identificam com cinema, estimulando futuros profissionais nesta área.

Nessa entrevista, Roberto Limberger conta um pouco mais sobre o projeto e a experiência dos alunos com mais variadas áreas de produção cinematográfica, os resultados alcançados até agora e o impacto que o CURTA JOVEM pode ter na vida de cada um deles e da cidade. Confira:

1. Conte um pouco mais sobre essa edição do CURTA JOVEM em Lençóis Paulista. Como tem sido?Olha, tem sido excelente! Quando abrimos as inscrições, tivemos mais de 130 jovens inscritos para as 75 vagas oferecidas. Hoje, temos 74 jovens participando ativamente do projeto que é composto de 12 aulas no total. Ao final do curso, os alunos terão produzido três filmes de curta-metragem.
As filmagens são vivenciadas na prática pelos jovens, pois eles produzem um set completo e são ao mesmo tempo atores, diretores, figurinistas. As primeiras gravações dos curtas acontecem entre hoje e amanhã em vários pontos da cidade, escolhidos pelos jovens para as filmagens. E, após o final das aulas, a exibição dos filmes em dois eventos.

2. O CURTA JOVEM já aconteceu em outras cidades. Como foi?
Sim, desde 2009 já aconteceram edições em Hortolândia, Piracicaba, Osasco e Paulínia, no estado de São Paulo, e em Aparecida de Goiânia, em Goiás, patrocinadas por outras empresas. O mais gratificante é quando a gente percebe os “rastros” que o projeto deixa. Por exemplo, em Aparecida de Goiânia, um grupo criou um cineclube. Outra aluna da turma de Osasco foi selecionada para atuar no filme “Acorda Brasil”, com Lázaro Ramos, que deve ser lançado ainda.

3. E as aulas do CURTA JOVEM, como são?
Concluímos a primeira etapa com oito encontros. Cada aula aborda uma parte específica da produção audiovisual. Então, é interessante, porque os jovens vão aprendendo cada ‘pedacinho’ do que compõe uma estrutura complexa que é um filme. Procuramos misturar teoria e prática. Por exemplo, na parte de fotografia, ensinamos técnicas de enquadramento, luz, noções de fotografia estática. Já para a produção, é importante passar tudo o que envolve organização e contabilidade, é quase uma empresa. Em direção de arte, focamos na parte da construção da imagem, das cores. E, até na seleção de elenco, fazemos eles entenderem o papel do ator em uma filmagem.

4. Além da parte técnica, o que você pode contar de interessante sobre as aulas?
Pudemos mostrar para eles filmes de grandes diretores como Almodóvar, que trabalha muito a questão da cor, do vermelho. Também apresentamos filmes do Steven Spielberg e do Gary Ross, de Jogos Vorazes, que é mais próximo da realidade deles. Também passamos por alguns clássicos como Chaplin. Procuramos também passar um pouco de cinema nacional com Jorge Furtado e Jorge Fernando, que trabalham bem a questão do humor e agradam ao público.

5. E quais foram os impactos na vida e na personalidade desses jovens?
Estão superando as nossas expectativas. Essa tem sido a melhor edição, em termos de dedicação dos alunos, em comentários das atividades. O que percebemos é que, com as oficinas, começam a aparecer os perfis de cada participante.  Acredito que esses jovens estão passando por experiências significativas e contatos com novos temas. Muitos passam a ter interesse em outras áreas como teatro, fotografia, pintura. Ou então, descobrem talentos que estavam escondidos à espera de uma oportunidade para aparecer, pois nunca exercitaram. E mesmo que acabem não seguindo a carreira artística, isso ajuda na formação global. É a ampliação do conhecimento cultural sendo vivenciada. Estamos olhando, inclusive, para ver as escolhas que eles farão no vestibular.

6. E para a cidade de Lençóis Paulista, o que pode significar esse projeto?
A cidade de Lençóis Paulista tem muita coisa acontecendo, tem uma efervescência cultural característica. Tem a Casa da Cultura com vários cursos, o Espaço Cultural, a Biblioteca Municipal. Então, acredito que esse projeto sirva para aproximá-los das opções e atividades que a cidade oferece. Estamos fazendo essa imersão. E da parte dos órgãos públicos e iniciativa privada, espero que esse pensamento continue forte, oferecendo cada vez mais opções com uma comunicação ampla e orgânica nas redes sociais e com o apoio de mais empresas, como o Grupo Lwart.

7. Quais são os próximos passos?
Além das gravações, faremos a formatura dos alunos e a exibição para o público de Lençóis no mês de julho. O interessante é que serão três tipos diferentes de produção: uma ficção que eles mesmos escreveram, um documentário sobre o jovem e as questões que eles consideram essenciais dentro da geografia da cidade e, por último, uma videoarte, mais focada no relacionamento com as cores, tintas e telas. 

8. Pra você, como idealizador, o que significa esse projeto?
É até difícil falar, pois sou professor de formação, dou aula desde 1999. É como se cada vitória deles fosse também uma vitória minha. Se no futuro, por exemplo, tiver mais eventos, mais atividades oferecidas pela cidade, ficarei muito feliz, realizado. É sinal que ajudamos a trazer essa juventude para mais perto da realidade local.